Glúten, sim ou não?

O glúten é uma proteína encontrada no trigo, na aveia, na cevada, no malte, no centeio e em seus derivados, como pães, massas, bolachas, cerveja, e em uma infinidade de produtos industrializados.

O que muita gente não sabe é que, apesar de estar presente na maioria dos alimentos, o glúten é o protagonista da doença celíaca – que é a intolerância à substância – surpreendentemente comum.

Ingerir comidas que contenham essa substância pode ser o gatilho para reações desagradáveis: diarreia, dor abdominal, inchaço, danos ao intestino delgado, problemas na absorção dos nutrientes, anemia e fadiga.

Como tratar o problema? Não existe cura.

A única forma é adotar uma dieta livre de glúten para o resto da vida. Para entenderes mais sobre esta proteína e como ela age no teu corpo, vê o que os especialistas da área falam sobre o assunto.

Devo evitar a ingestão de glúten mesmo não sendo intolerante à substância? (pergunta do momento!)

Esta é uma pergunta que divide os profissionais. A substância é prejudicial mesmo para quem não tem a doença. Boa parte das pessoas no mundo apresenta algum tipo de sensibilidade ao glúten; dizem alguns especialistas. Retirar o glúten da alimentação aumenta a qualidade de vida tanto dos celíacos como daqueles que não sofrem com o problema.

Cerca de 80% dos americanos (e provavelmente brasileiros, franceses ou japoneses) têm o gene de sensibilidade ao glúten, que pode aparecer em diversos graus, do mais leve ao intenso, e em qualquer época de nossa vida; dizem outros entendidos na matéria.

Mas, nem todos os especialistas concordam com esse ponto de vista. “Não existem evidências científicas fortes para dar suporte à teoria de que evitar glúten faz bem à saúde”, afirma a americana Tricia Thompson, pesquisadora e consultora de nutrição especialista em doença celíaca e autora do livro The Gluten-Free Nutrition Guide (Guia da Nutrição Livre de Glúten).

Quais são as opções nutricionais para os atletas com doença celíaca?

Todo atleta precisa consumir hidratos de carbono, fibras, proteínas, gorduras. Aqueles que têm intolerância ao gluten não são prejudicados nutricionalmente por falta da ingestão dessa proteína. Existem muitos alimentos livres de glúten capazes de suprir as necessidades de quem pratica desporto.

Investe numa dieta equilibrada, rica em carne, peixe, frango, frutas, legumes, verduras, produtos lácteos magros, óleos, grãos, arroz integral, milho, soja, lentilha, ervilha, amaranto, tremoço, quinoa, nozes e sementes.

O glúten engorda?

Cortar a substância do teu menu diário pode, sim, facilitar a perda de peso. O que acontece é que uma dieta sem glúten força-te a ficar longe de alguns hidratos de carbono que engordam, como pizza, cerveja, hambúrguer, massa e pão. Assim, acabas substituindo estes alimentos por escolhas menos calóricas, como frutas, vegetais, arroz integral, oleaginosas, peixes, ovos, leite, entre outros. Isso leva ao emagrecimento.

Algumas alternativas sem glúten:

Quinoa

Usado como fonte de energia para os guerreiros incas, esse superalimento dos Andes oferece proteína completa, com nove aminoácidos essenciais. Também tem baixo índice glicêmico, evitando um pico de açúcar no sangue.

Composição: tem hidratos de carbono e vitaminas do complexo B. Entre os minerais, contém ferro, cálcio e fósforo. Também tem certa quantidade de triptofano, relacionado à produção de serotonina, para o bem-estar.

Trigo sarraceno

É rico em flavonoides, como a rutina e a quercetina, que agem como antioxidantes. A sua proteína é de alto valor biológico, contendo todos os aminoácidos essenciais.

Composição: também é uma excelente fonte de magnésio, mineral diretamente envolvido na contração muscular e que protege de cãibras.

Amaranto

Um grão com o tamanho de uma semente de papoila, tem mais proteína do que o trigo e duas vezes mais do que o arroz branco. Também contém rutina, antioxidante benéfico ao coração.

Composição: um estudo publicado na revista Lipids in Health and Disease (Inglaterra) revelou que o amaranto também reduz o colesterol, diminuindo o risco de doenças no coração.