Óleos para cozinhar

Os óleos são derivados de fontes vegetais e são extraídos de várias sementes como as de girassol, abóbora, frutas como a azeitona, as nozes e o abacate, ou cereais, como o milho e o arroz.

Livres de colesterol, ajudam a equilibrar as gorduras animais na nossa alimentação.

O método de extração de pressão a frio é feito através do esmagamento da semente, do cereal ou do fruto usando o mínimo de calor e pressão, resultando num óleo que retém o máximo de sabor e textura. São chamados de óleos extra virgens. São próprios para serem usados sem ir ao fogo, em saladas, molhos ou para finalização em pratos quentes prontos para comer.

Já o método de pressão a quente, para óleos não refinados, utiliza o mínimo de manipulação, resultando em óleos ricos em sabor. São os chamados óleos virgens. Podem ir ao fogo para preparar refogados.

Óleos não refinados tem estrutura delicada, sendo assim, não suportam o calor de fritos.

Óleos refinados, passam por um processo de refino, clareamento e desodorização, às vezes tão intenso, que perdem muito do seu sabor original.

Óleos de girassol, amendoim e canola são os mais resistentes a altas temperaturas.

Alguns óleos mais usados e as suas propriedades:
 

Óleo de abacate - contém substâncias importantes para a prevenção de doenças cardiovasculares e da próstata, controle da glicemia e auxílio no tratamento do diabetes. Ajuda a proteger a saúde dos olhos, pele e cabelos, além de reforçar a imunidade.

Óleo de chia – é um óleo polinsaturado rico em nutrientes e uma das maiores fontes vegetais de ômega 3.

Óleo de coco – rico em gorduras de cadeia média (TCM), que é fundamental para o bom funcionamento do organismo e é rapidamente convertido em energia. Importante na estrutura e funcionamento do sistema metabólico. Possui ação antioxidante, retarda o envelhecimento, previne doenças como o cancro e reduz as taxas de colesterol.

Óleo de girassol - é um óleo de alto valor nutritivo que colabora no controle do colesterol. Auxilia no tratamento de doenças cardiovasculares e também tem ação emoliente, que auxilia na cicatrização.

Óleo de linhaça – fonte de ômega-3, atua na prevenção de doenças cardiovasculares, inibe inflamações, auxilia nos sintomas da menstruação e menopausa.

Óleo de milho - contém 60% de ácido linoléico, que previne alterações metabólicas relacionadas com dermatites, perda de peso e arteriosclerose. É uma rica fonte de ômega-6, de fitoesteróis, que tem capacidade de reduzir o colesterol e de tocoferóis, que tem função antioxidante.

Óleo de semente de abóbora - possui propriedades antioxidantes por ser abundante em vitamina E. Auxilia no tratamento do cancro na próstata e mama, reduzindo o cortisol sanguíneo, elevando a testosterona e inibindo a formação de células cancerígenas. É fonte de Vitamina A e complexo B, minerais como cálcio, ferro, potássio, fósforo e selênio e também tem propriedades anti-inflamatórias. Este óleo não deve ser aquecido pois todas as propriedades dos ômegas 6 e 9 podem ser parcialmente perdidas em temperaturas maiores que 180 graus.

Óleo de soja - possui ômega-6, que reduz o risco cardiovascular, traz benefícios para a gestação, desenvolvimento visual e cognitivo, além de auxiliar na prevenção da doença de Alzheimer.

Como utilizá-los na cozinha:

Para fazer refogados, grelhados e cozidos, as melhores opções são os vegetais, como girassol e milho. Eles são poliinsaturados e estáveis à altas temperaturas.

Para receitas de massas, bolos, pães e tortas doces e salgadas, a melhor opção é o óleo de coco. Ele também é estável à altas temperaturas.

Os óleos de pressão a frio, como azeite, óleo de abacate, chia, linhaça e castanhas, devem ser utilizados frios, pois perdem suas propriedades mediante altas temperaturas. Estes óleos são ideais para finalização de receitas e tempero de saladas.

 

(retirado do site da Nutricionista alessandraluglio.com.br)